Governo diz que zerou a fila de famílias à espera do Auxílio Brasil



Correio Braziliense - O Ministério da Cidadania informou, ontem, que zerou a fila de espera para o Auxílio Brasil, incluindo mais 2,7 milhões de famílias entre as beneficiárias do programa, criado para substituir o Bolsa Família. Com a adição dos novos cadastros, segundo a pasta, o Auxílio Brasil atenderá mais de 17 milhões de famílias a partir deste mês.

Em janeiro, o valor do benefício, de R$ 400, deverá ser pago entre os dias 18 e 31. Os recursos são liberados numa ordem que segue o dígito final do NIS (Número de Identificação Social) dos beneficiários. Quem tem o número terminado em 1 receberá no dia 18. Já para finais 2 e 3, as datas serão 19 e 20 de janeiro, e assim por diante. O NIS pode ser encontrado no cartão do titular do benefício.

Em dezembro de 2021, o auxílio foi pago a 14,5 milhões de famílias, totalizando um repasse de quase R$ 6 bilhões, segundo o Ministério da Cidadania. Com a adição das 2,7 milhões de famílias em janeiro, o número de pessoas atendidas por meio de um programa de renda do governo federal é o maior já registrado, de acordo com a pasta.

O Auxílio Brasil começou a ser pago em novembro, com valor de R$ 224. Na época, o presidente Jair Bolsonaro prometeu que seria liberada uma parcela extra para completar o valor de R$ 400. Isso ocorreria depois que fosse aprovada a proposta de emenda à Constituição que adia o pagamento dos precatórios (dívidas judiciais do governo), o que aconteceu em dezembro. A promessa, porém, não foi cumprida.

A inscrição para recebimento do Auxílio Brasil pode ser feita a partir do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico). Quem for elegível pode verificar se foi aprovado pelo site do cadastro ou pelo aplicativo do Auxílio Brasil.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem