Teresa Leitão condena ataques ao PT durante 2° turno das eleições no Recife: “Não é feio perder; feio é ganhar de todo jeito, com uma campanha baixa e misógina como a feita no Recife”



Ismael Alves
ismaelgravatafm@gmail.com
(81) 99139-7305


A última campanha eleitoral para a Prefeitura do Recife – mais especificamente a disputa entre Marília Arraes (PT-PE) e João Campos (PSB-PE) no segundo turno – motivou pronunciamento da deputada Teresa Leitão (PT), na Reunião Plenária da última quinta (10), da Assembleia Legislativa de Pernambuco (ALEPE). 

A parlamentar defendeu que o partido vencedor do pleito faça uma análise das insatisfações dos eleitores que optaram pela candidata petista, bem como uma autoavaliação sobre a postura adotada na campanha.

“Comete um grande erro quem acha que fazer acusações falsas e injustas contra o PT prejudica somente o partido. A ação é um desserviço ao campo progressista e à política”, afirmou Teresa, referindo-se à estratégia adotada pela campanha pessebista de explorar acusações de corrupção contra políticos petistas pela Operação Lava Jato.

“Poderíamos ter apontado nomes do PSB em Tamandaré, Paulista, Limoeiro ou no Cabo de Santo Agostinho. Não fizemos isso porque as eleições eram no Recife e porque, após sofrermos na pele a injustiça de processos e julgamentos políticos, sabemos que, quando se prova a inocência, o opositor, muitas vezes, já está eleito”, disse.

A deputada desejou a João Campos uma boa gestão, mas criticou o que chamou de “pueril extravagância acusatória” do futuro prefeito. “Espero que os arroubos do pessebista, que pensa que a dor é patrimônio dele, possam ser amadurecidos. E que o susto que a legenda teve, com pesquisas que chegaram a indicar a vitória de Marília, ajudem na autocrítica e sirvam para o bem do povo do Recife”, afirmou. 

Ela elogiou, no entanto, as lideranças do PSB que não seguiram essa postura. “Os deputados do partido foram muito parcimoniosos. Tenho certeza de que alguns se sentiram ofendidos com o nível da campanha”. Na avaliação da petista, a eleição de Campos foi uma “vitória de Pirro”. “Não é feio perder; feio é ganhar de todo jeito, com uma campanha baixa e misógina como a feita no Recife”, criticou, afirmando que o PT terá a tarefa, agora, de lutar em defesa do partido. 

Teresa Leitão respondeu, ainda, ao compromisso feito pelo prefeito eleito de não aceitar nenhuma indicação política do PT nos quatro anos de sua administração: “Nosso partido fará oposição à gestão na Câmara de Vereadores e espero que haja um reposicionamento aqui na Alepe também”. “Caso João Campos queira convidar alguém do PT, que ofereça não apenas o cargo, mas também uma ficha de filiação ao PSB, nos poupando de alguns processos internos”, provocou. 


Siga nossas redes sociais

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem