Letreiro móvel superior

8/recent/ticker-posts

Em evento, Dilma condena sanções à Rússia e critica Bolsonaro


Correio Braziliense - A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) condenou as sanções econômicas impostas por outros países contra a Rússia por ter iniciado a guerra contra a Ucrânia, durante encontro com estudantes em Berlim, na Alemanha, neste sábado (23). Ainda durante o evento, Dilma também criticou o atual presidente e disse que Jair Bolsonaro (PL) é o "ovo da serpente" chocado durante o processo de impeachment sofrido por ela em 2016, no Brasil.

A ex-presidente fez a declaração no Brazil Summit Europe, seminário em Berlim realizado por alunos brasileiros da Hertie School, do qual participou de forma remota. Também palestraram os ministros do Supremo Tribunal Federal Luís Roberto Barroso e Cármen Lúcia, além de outros juristas e pesquisadores.

Para Dilma, as sanções econômicas como em Moscou só produzem "fome e miséria" e não funcionam para forçar alteração de regime nos países afetados. Ela citou os exemplos de Cuba, sob embargo americano há 60 anos, e Venezuela, sancionada pelos Estados Unidos desde 2017.

"Somos, da nossa parte, contrários a qualquer política de intervenção econômica baseada em sanções, até porque tal política só produziu mortes, fome e miséria. Temos dois terríveis exemplos, os 60 anos de sistemáticas sanções aplicadas contra Cuba e as recentes sanções contra a Venezuela durante uma pandemia, que provocaram danos à população daqueles países e não alteraram os seus regimes", disse Dilma.

A invasão da Ucrânia pela Rússia e as sanções decorrentes da guerra, de acordo com a ex-presidente, irão "remodelar a economia mundial" e promover uma maior regionalização das cadeias produtivas, como vêm prevendo o Fundo Monetário Internacional e diversos especialistas, em um fenômeno conhecido por "desglobalização".

"A invasão da Ucrânia pela Rússia tem sem dúvida conseqüências econômicas e sociais sobre todos os países do mundo globalizado, mesmo que a globalização já viesse se enfraquecendo desde pelo menos a crise de 2008. As sanções fazem parte da guerra, por outros meios. E essas sanções têm o potencial de remodelar a economia mundial, trazendo as cadeias globais de fornecedores para dentro dos países ou para mais próximo de cada uma das regiões", afirmou Dilma Rousseff.

Sanções à Rússia estão sendo impostas, principalmente, por países do Ocidente, como Estados-membros da União Europeia, Reino Unido, Estados Unidos e Canadá. A reação dos países é considerada importante para interromper a guerra na Ucrânia.

Bolsonaro

Ainda durante a palestra aos estudantes, Dilma declarou que o presidente Jair Bolsonaro é resultado de um “ovo da serpente” chocado durante o impeachment sofrido por ela em 2016. “Sabemos que [Jair] Bolsonaro é resultado do ovo da serpente chocado no golpe de 16, no discurso de ódio que o sustentou e na interdição do presidente Lula”, afirmou Dilma Rousseff.

A ex-presidente não comentou o caso Daniel Silveira, a exemplo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que até a manhã deste sábado não tinha se manifestado sobre o decreto de Bolsonaro de perdão de pena ao deputado.