Letreiro móvel superior

8/recent/ticker-posts

Ala do PT amplia ataques à união Lula-Alckmin; senadores tentam amenizar racha




Correio Braziliense - A eventual aliança entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-governador Geraldo Alckmin (sem partido) para a formação de uma chapa às eleições deste ano parece longe de ser apaziguada, tanto do lado petista quanto do lado do ex-tucano. No PT, a resistência à união ainda é considerável. A ex-presidente Dilma Rousseff, por exemplo, teria dito que o ex-gestor de São Paulo "será o Temer" de Lula, numa referência a Michel Temer, que se movimentou nos bastidores pelo impeachment da petista e assumiu o comando do país quando da destituição dela.

Outros integrantes da legenda, como Daniel Kenzo, líder do diretório petista no Butantã, Zona Oeste de São Paulo, afirmam que a imagem de Alckmin pode comprometer a campanha de Lula. "Absolutamente nada indica que entregar a vice a um golpista neoliberal seja necessário para ganhar as eleições", enfatizou Kenzo, que abriu uma petição contra a formação da chapa.

Já o deputado Rui Falcão (PT-SP) — coordenador das campanhas de Lula, em 1994, e Dilma, em 2014 — disse que, se a chapa Lula-Alckmin for à frente, será uma "contradição" a tudo que o PT fez em sua história. Segundo Falcão, "Lula não precisa de muleta". As declarações do parlamentar foram publicadas na edição de ontem da Folha de S. Paulo.

Por outro lado, há integrantes do partido que apoiam a aliança, ou pelo menos avalizarão o que Lula decidir. Os senadores Humberto Costa (PE) e Paulo Paim (RS) frisaram que divergências e debates em torno do tema são "naturais". Paim sustentou não ter preferência sobre um nome para ser vice do ex-presidente e ressaltou a importância de alianças e coligações.

"Ninguém tem dúvida de que a liderança de Lula é muito forte. Ele ultrapassa, inclusive, a sigla do partido. Evidentemente, a opinião dele vai ser decisiva. Em momentos de dúvida na legenda, a posição dele sempre prevaleceu, e ele sempre acertou", destacou. "Como um ser político que ele é, com liderança internacional, terá a visão global e saberá escolher seus quadros aliados fora do PT para reconstruirmos o país."

Por sua vez, Humberto Costa argumentou que as negociações entre Lula e Alckmin ainda são preliminares, mas afirmou que, se a formação da chapa for oficializada, será um dos apoiadores.

"Isso ainda não foi apresentado formalmente ao PT. O que está acontecendo são opiniões acerca de algo que, pelo menos por enquanto, é apenas uma especulação e é natural as pessoas se manifestarem a favor ou contra", minimizou. "Eu, particularmente, sou favorável a esse entendimento (entre Lula e Alckmin). No momento que isso for para discussão no diretório, votarei favoravelmente."

O cientista político Valdir Pucci avaliou que a vontade de Lula será sacramentada e que as dificuldades levantadas pelo PT internamente fazem parte do jogo político. "Se a gente se lembrar de quando Lula escolheu o José Alencar para ser seu vice, houve contrariedade, à época, de membros do PT e da esquerda. Eles colocavam que a aliança ia contra os princípios do partido e contra os direitos do trabalhador. No final, se mostrou uma aliança acertada", destacou. "Se Lula insistir nessa união, com certeza vai ser sacramentada."