Ivan Moraes realiza solenidade para comemorar os 80 anos da Fafire




Ela está numa busca constante de inovação, pautada no ensino, além de pesquisa e extensão. Tem sido assim desde o início, erguendo-se como uma instituição sólida e de qualidade. Os 80 anos de fundação da Faculdade Frassinetti do Recife (Fafire) foram comemorados na Câmara Municipal, na tarde desta quarta-feira (3), através de reunião solene realizada por iniciativa do vereador Ivan Moraes (PSOL). “Esta é a primeira atividade presencial do nosso mandato após a quarentena causada pela pandemia. Para mim é emocionante estar aqui homenageando esta instituição que trabalha em favor da ciência e da educação”, disse o vereador.


A solenidade, presidida pela vereadora Natália de Menudo (PSB), ocorreu de forma presencial, e foi transmitida pelas redes sociais do Poder Legislativo Municipal. A mesa foi composta pelo vereador proponente da homenagem, Ivan Moraes; pela Irmã Maria das Graças Soares, diretora geral da Fafire; e pela Irmã Maria do Socorro, vice-diretora. Após a execução do Hino Nacional, que é de praxe nesses eventos da Câmara Municipal do Recife, o parlamentar fez a leitura de um histórico da Fafire para ressaltar a importância da instituição.

Antes, Ivan Moraes lembrou que a mãe dele, a pedagoga Sineide Moraes, já falecida, estudou na Fafire e frequentou a escola superior quando estava grávida dele. No histórico lido, o parlamentar ressaltou que a Faculdade Frassinetti do Recife, da Rede Doroteias, teve seu início na década de 1940 pelas mãos da madre italiana Enrichetta Cesari. Recebeu inicialmente o nome de Instituto Superior de Pedagogia, Ciências e Letras Paula Frassinetti. Mais adiante, virou Faculdade de Filosofia do Recife e só recentemente foi rebatizada pela marca definitiva. Presente em 11 estados do Brasil e em 13 países, a obra (iniciada em 1866), nascida do carisma de Santa Paula Frassinetti, cresceu e se multiplicou, tornando-se semente de firmeza e suavidade que impacta a vida de milhares de pessoas.

Orientando-se pela “inspiração pedagógica de Paula Frassinetti”, de acordo com o histórico, a Fafire foi criada para atender ao público feminino e oferecia cursos de filosofia, matemática, geografia, história, ciências sociais, letras e pedagogia, entre outros. Após a fala do vereador, um vídeo foi apresentado narrando da história da Fafire, localizando a instituição no processo histórico, econômico, político e social do País. O vídeo reforçou a ideia de que hoje, 80 anos depois de criada, a Fafire firma-se no cenário pernambucano como uma instituição de referência, oferecendo à população cursos que contemplam várias áreas de conhecimento, contribuindo com a formação humana e profissional de milhares de pessoas.

“A qualidade do trabalho desenvolvido pela Fafire foi reconhecida em 2018 quando a instituição foi tida como uma das melhores empresas para a mulher trabalhar em Pernambuco”, lembrou Ivan Moraes. Ele também ressaltou que a Câmara Municipal do Recife precisava “expressar publicamente a importância da Fafire para esta cidade, pois é tarefa das instituições democráticas reconhecer as instituições sérias, que promovem a educação e a ciência neste país”.

Em seguida, o parlamentar lembrou que os brasileiros resistem a um processo autoritário e difícil. “Jamais pensaríamos que a ciência e a educação seriam tão esculachadas. Vivemos um momento de trevas, de desespero e de agonia. Um momento terrível em que milhares de pessoas passam fome”. Ivan Moraes sublinhou que “ninguém trabalha 80 anos, formando educadores e cientistas, impunemente”. A Fafire, disse ele, é um polo de “interação e respeito à educação”. O vereador lembrou, ainda, que a Fafire faz 80 no mesmo ano em que se comemora o centenário de Paulo Freire. “Batemos palma para cada pessoa e instituição que trabalha com a educação”.

Após o discurso, o vereador entregou à Irmã Graças Soares o diploma que formalizou os votos de aplausos à Fafire. Em seguida, a religiosa, que é diretora da Faculdade, fez os agradecimentos. “Celebrar 80 anos não é o mesmo que celebrar oito dias. São oito décadas de histórias, em que muitas histórias participaram e se entrelaçaram. Muita gente foi gestada no contexto da Fafire que, ao longo dos anos, acolheu muitas mulheres, inclusive adolescentes. E esta é mais uma das contribuições da Fafire para a história social”.

Se o curso de Letras, disse a Irmã Graças Soares, acolheu muitas pessoas, o mesmo vem ocorrendo com o de Pedagogia, que está fazendo 50 anos de criação. “Por isso, recebemos com alegria e gratidão os votos de aplausos e renovamos o nosso compromisso social, político, e educacional, que nos impulsiona a continuar escrevendo as novas páginas dessa história”. Ela disse que também estava feliz de ser a primeira instituição homenageada em evento presencial, pelo mandato do vereador Ivan Moraes. “´Recebemos como uma acolhida. O povo deve ocupar o seu lugar de direito, deve recuperar sua voz, saúde, e seus ambientes de trabalho’.

“Queremos agradecer ao vereador Ivan Moraes que faz este gesto de reconhecimento a uma instituição de ensino, confessional, sem fins lucrativos, que busca contribuir para com a educação e pelo direto de todos e de todas à educação”. A Irmã Graças Soares disse também que o “contexto em que vivemos é desafiador, mas não nos desanima, antes, pelo contrário, nos impulsiona. Também não e à toa que comemoramos 80 no mesmo ano do centenário do educador Paulo Freire. Esta combinação de datas é uma celebração. É uma coincidência que nos chama e nos lembra o lugar do diálogo, da amorosidade, do respeito, do acolhimento ao outro, e à outra. É com esse desejo e com esse sentimento que recebemos esta homenagem”.

A diretora geral da Fafire dedicou a homenagem da Câmara Municipal do Recife a todos os gestores, coordenadores, professores, trabalhadores, alunos e alunas, às Irmãs Doroteia e às mais de 600 mil vítimas da covid-19 do Brasil. Ela fez menção especial ao aluno Messias Black e ao maestro Deocléssio, regente da orquestra da instituição, durante a pandemia. “Para encerrar, quero dizer que o vereador Ivan Moraes disse que estamos em momento de trevas. Sim, estamos. Mas, que nós sejamos a luz. Que sejamos os portadores e as portadoras da iluminação. As trevas jamais prevalecerão. Jamais nos vencerão”. O músico Leonardo Barros Alcântara encerrou a solenidade com apresentação musical.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem