Bolsonaro, Pandora Papers e os liberais.O Escândalo! - Por Tiago Lima



É grave a situação política do outrora indemissível ministro da Economia, Paulo Guedes. Se dependesse única e exclusivamente da vontade do Congresso Nacional, ele já estava há léguas de distância da Esplanada dos Ministérios. Seu status de "superministro" acabou há muito tempo.

A bem da verdade é que a relação de Guedes com o parlamento nunca foi das melhores. Na teoria, ele deveria ter encontrado céu de brigadeiro após o resultado das eleições de 2018, uma vez que os brasileiros elegeram, em sua maioria, representantes tidos como liberais e reformistas - alinhados, portanto, à sua visão macroeconômica. Na prática, porém, essa antipatia que deputados e senadores nutrem pelo ministro da Economia é culpa dele próprio e de sua visão ultraliberal e tecnocrata. Guedes é incapaz de lançar um olhar social às políticas públicas e em diversas ocasiões conseguiu fazer o Presidente da República vetar normas aprovadas pelo Congresso Nacional que poderiam, inclusive, ser revertidas em pontos de popularidade para o chefe de Executivo.

Para o mercado financeiro, o ministro era tido como uma espécie de "guardião" da âncora fiscal, mas a resposta econômica pífia após a aprovação de matérias de austeridade como a Reforma da Previdência e a PEC Emergencial acabaram por minar boa parte de seu prestígio dentro e fora das organizações econômicas, e de seu capital político dentro do parlamento.

No último sentido, aliás, existe a compreensão quase unânime, nas duas casas do Congresso Nacional, que deputados e senadores chancelaram medidas impopulares (Reforma da Previdência, Privatização da Eletrobras e PEC Emergencial) sob o argumento do ministro de que "o Brasil está surpreendendo o mundo", mas receberam em troca gasolina a R$ 7,00 e gás de cozinha custando R$ 100,00.

Em todo esse universo de crise, o escândalo da offshore que o ministro mantém em um paraíso fiscal revelado no caso "Pandora Papers" é apenas a cereja de um bolo prestes a desmoronar. Qualquer pessoa minimamente atenta sabe que falta de confiança no mundo político somada a crise econômica derrubam ministros.

Ademais, o desgaste de Guedes está drenando o Governo Bolsonaro fortemente. Não bastassem as declarações do 7 de setembro, proferidas pelo próprio Chefe de Governo, e que tiveram repercussão imediata na solução dos Precatórios com a recusa de ajuda pelo Poder Judiciário, essa novidade envolvendo Guedes inviabilizará as reformas em curso dentro do legislativo, afinal de contas: qual deputado ou senador, em sã consciência, colocará suas digitais em uma Reforma Administrativa ou na privatização dos Correios, por exemplo, sabendo que o padrinho dos textos lucra milhares de dólares mensalmente em um paraíso fiscal? Nem o mais ferrenho liberal será capaz de justificar essa escolha ao eleitor.

Na minha humilde opinião, enquanto Paulo Guedes estiver a frente da Economia, a pauta de reformas e privatizações se arrastará pela insistência dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, mas os sinais em favor da substituição do ministro já estão sendo dados. Não foi a toa que 310 deputados - boa parte deles de partidos que compõem a base de apoio do governo - aprovaram sua convocação em Plenário para as próximas semanas, num vexatório pedido de explicações público. O parlamento tem ferramentas muito eficazes de pressão ao Executivo para que sejam feitas substituições no governo - e elas começam a ser utilizadas.

Sozinho, Jair Bolsonaro pode até mantê-lo no cargo, mas sob o risco de uma paralisia que colocaria em xeque a reta final do seu governo. Se quiser se segurar no cargo, Guedes precisa mudar da água para o vinho e ser mais receptivo às demandas do mundo político, deixando para lá seu "tecnocentrismo ultraliberal", em favor do acatamento de pequenos (ou grandes) favores, se é que vocês me entendem.

----

Tiago Lima Carvalho
Secretário geral da Juventude do PSB de Pernambuco
Bacharel em Relações Internacionais
Mestrando em Gestão Pública e Cooperação Internacional UFPB

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem