Santa Cruz do Capibaribe: MPPE recomenda ao prefeito Fábio Aragão que garanta ao vereadores acesso às unidades de saúde para fiscalização




Ismael Alves
politicanoforno@gmail.com
(81) 99139-7305

O Ministério Público de Pernambuco (MPPE), por meio da 1ª Promotoria de Justiça local, recomendou ao prefeito de Santa Cruz do Capibaribe, Fábio Queiroz Aragão, e à secretária Municipal de Saúde, Lívia Maria Borba Danda, que garantam o livre acesso às unidades de saúde dos vereadores que integrem a Comissão Temática (Saúde), cumprindo a Resolução nº 068/2018 (Regimento Interno da Câmara dos Vereadores).

Durante a inspeção, deverá o responsável pela respectiva unidade de saúde acompanhar o parlamentar durante toda fiscalização, permitindo-lhe acessar áreas restritas e examinar livros, bens e documentos do estabelecimento, físicos ou virtuais, sendo respeitada a intimidade de eventuais pacientes que estejam no local, não sendo possível fotografar ou filmar cidadãos sem a devida permissão destes de Santa Cruz do Capibaribe.

O MPPE adverte o prefeito que se constitui como infração político-administrativa a conduta de impedir o exame de livros, folhas de pagamento e demais documentos que devam constar dos arquivos da Prefeitura, bem como a verificação de obras e serviços municipais, por comissão de investigação da Câmara ou auditoria, regularmente instituída (art. 4º, II, do Decreto-Lei 201/67).

A Promotoria de Justiça de Santa Cruz do Capibaribe recomendou ainda que, na ocasião da fiscalização, os vereadores devem comprovar serem membros da Comissão e portem consigo a devida autorização do Presidente da Comissão, permitindo-se a visitação, devendo o ofício, por escrito, indicar a data, a unidade de saúde, lista dos nomes dos parlamentares que realizarão a fiscalização, com poderes de representação.

Por fim, recomendou-se ainda que, durante a visitação, deverá o vereador agir com prudência, bom senso e proporcionalidade, evitando-se adentrar em recintos em que se estejam sendo realizados procedimentos mais invasivos, devendo a inspeção ser acompanhada de um servidor responsável pela respectiva unidade de saúde, sendo permitido ao parlamentar acessar áreas restritas e examinar livros, bens e documentos do estabelecimento, físicos ou virtuais, respeitando-se a intimidade de eventuais pacientes que estejam no local, não sendo possível fotografar ou filmar cidadãos sem a devida autorização destes.

A recomendação, firmada pelo promotor de Justiça Lúcio Carlos Malta Cabral, foi publicada no Diário Oficial Eletrônico do MPPE desta quarta-feira (29).

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem