Por 29 x 11, deputados pernambucanos derrubam parecer contrário ao funcionamento de igrejas durante pandemia



Ismael Alves
politicanoforno@gmail.com
(81) 99139-7305



O parecer da Comissão de Justiça da  Assembleia Legislativa de Pernambuco,  que opta pelo não funcionamento de templos religiosos durante o período de restrições mais severas da pandemia do coronavirus, foi derrubado nesta quinta-feira, 11. 

Um total de 29 deputados se posicionaram contra o fechamento das igrejas, enquanto 11 parlamentares preferiram seguir o parecer de autoria do deputado João Paulo (PCdoB), que considera as atividades religiosas como serviço não essencial.

Com o resultado, o projeto segue em tramitação. Veja como votou cada deputado:


Contra o parecer - a favor do funcionamento das igrejas:
 
- Adalto Santos 
- Aglaílson Victor 
- Alberto Feitosa 
- Alessandra Vieira 
- Álvaro Porto 
- Antonio Coelho 
- Antônio Fernando
- Clarissa Tercio 
- Clodoaldo Magalhães 
- Clóvis paiva 
- delegada Gleide Ângelo 
- delegado Erick Lessa 
- Dulci Amorim 
- Fabíola Cabral 
- Fabrizio Ferraz
- Guilherme Uchoa
- Gustavo Gouveia 
- Henrique filho 
- Joel da Harpa
- Manoel ferreira
- Marcantonio filho
- Cleiton Collins
- Priscila Krause
- Roberta Arraes
- Rogério Leão 
- Romero Albuquerque
- Romero Sales 
- Wanderson Florêncio
- William Brígido

A favor do parecer - contra o funcionamento  das igrejas

- Aluísio Lessa
- Diogo Moraes
- Doriel Barros 
- João Paulo
- José Queiroz
- Juntas
- Laura Gomes
- professor Paulo Dutra
- Teresa leitão 
- Tony Gel
- Waldemar Borges

--Publicidade--



1 Comentários

  1. As igrejas abertas para restrita vivência do cristianismo imaculado seriam um oásis a paz, a democracia e aos direitos humanos.
    Entretanto, muitos anjos decaídos, cambistas da fé, querem os templos abertos apenas pra dá ênsafe ao projeto político de dominação espiritual e social brasileiro (teocracia) e formentar na clientela incauta a falsa ideia da salvação pela supremacia religiosa. incitando, de certa maneira, a intolerância, racismo, violência e a politicagem fundamentalista.

    O Brasil precisa seguir o rumo da mentalidade nórdica atual.

    ResponderExcluir
Postagem Anterior Próxima Postagem