Letreiro móvel superior

8/recent/ticker-posts

Tony Gel repercute reunião em Pernambuco para tratar de reforma tributária



Ismael Alves
ismaelgravatafm@gmail.com~
(81) 99139-7305


O deputado Tony Gel (MDB) registrou em Plenário, nesta quinta (3), o encontro entre o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o governador Paulo Câmara para tratar de uma proposta de reforma tributária. A reunião ocorreu hoje no Palácio do Campo das Princesas, sede do Poder Executivo Estadual, e teve a participação do deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator da matéria, e de secretários da Fazenda de Estados nordestinos.

O emedebista também leu reportagem informando que, em reunião virtual no último dia 26 com os secretários estaduais da Fazenda, o ministro da Economia, Paulo Guedes, mostrou-se favorável a vários pontos da proposta de reforma tributária do Comitê Nacional de Secretários da Fazenda, Finanças, Receitas ou Tributação dos Estados e Distrito Federal (Comsefaz). Na avaliação de Tony Gel, Maia está em Pernambuco para trabalhar junto aos governadores e secretários pela reforma “mais justa possível, especialmente para os Estados mais pobres do Norte e Nordeste”. 

“A visita mostra o protagonismo do governador Paulo Câmara em liderar esse movimento. Esta Casa não poderia deixar em branco um acontecimento tão importante”, emendou. Ele ressaltou, também, o papel do secretário da Fazenda de Pernambuco, Décio Padilha, à frente das discussões no âmbito do Comsefaz.

Em aparte, o deputado José Queiroz (PDT) elogiou a postura de Rodrigo Maia no contexto da pandemia de Covid-19, mas fez ressalvas ao apoio do presidente da Câmara à proposta do Governo Federal de reduzir o valor do auxílio emergencial de R$ 600 para R$ 300. Ele ainda defendeu que a discussão sobre a reforma tributária ocorra apenas em 2021. 

“Essa reforma não deve ser contaminada pelos debates da pandemia no Congresso Nacional. Por isso, será mais oportuna a discussão no próximo ano. E espero que Rodrigo Maia não mais se ajuste aos equívocos cometidos pelo presidente da República”, complementou Queiroz.